seg. nov 28th, 2022

Joseph Mortimer Granville inventou o vibrador elétrico para facilitar o tratamento de mulheres histéricas, que consistia em uma massagem pélvica; Atualmente são fabricados vibradores de todos os tamanhos, texturas, preços e materiais como silicone, plástico e látex, para citar alguns. 

Embora a invenção do vibrador tenha suas origens na pré-história, quando falos feitos de vários materiais foram encontrados, a história do primeiro vibrador teve seu início na conservadora era vitoriana na Inglaterra de 1880.

O primeiro vibrador foi inventado com função muito diferente da que tem hoje, pois foi criado com o objetivo terapêutico de tratar a histeria feminina, doença diagnosticada em meados do século XIX, mas descrita por Platão e Hipócrates em um mito grego em Ele descreve o útero como um órgão que não é estático, mas perambula pelo corpo da mulher, causando doenças à vítima quando atinge o peito.

Séculos depois, durante a era vitoriana, uma em cada quatro mulheres sofria de algum tipo de histeria. Os sintomas desta doença eram muito diversos: dores de cabeça e no corpo, ataques de choro e riso, peso abdominal, insônia, desmaios, espasmos musculares, paralisia e até cegueira no pior dos casos.

Para tratar essa doença, exclusiva do corpo feminino, os médicos foram assistidos por uma parteira que aplicou óleo em seus dedos para estimular a região genital da histérica até que ela atingisse o clímax e causasse um paroxismo histérico, que nada mais era do que um orgasmo com o nome sociedade vitoriana conservadora.

Dessa forma, as mulheres foram curadas da histeria ao liberar a tensão sexual. No entanto, a tarefa de realizar a massagem pélvica, que às vezes durava horas, tornou-se cansativa e exaustiva para os médicos; Por isso, em 1880, Joseph Mortimer Granville encontrou a solução para o problema de forma eficaz e contundente: inventou uma máquina elétrica com formato fálico que podia ser inserida na cavidade vaginal sem machucá-la. Assim nasceu o primeiro vibrador da história, que se tornou o brinquedo sexual por excelência para satisfazer o prazer feminino.

Com a chegada do século 20 e o desenvolvimento da infraestrutura elétrica, o vibrador feminino se popularizou tanto que seu consumo rivalizava com a compra de ferros de passar ou aspiradores de pó. Tanto foi o sucesso do aparelho que, em 1918, foi anunciado no prestigioso catálogo da Sears, junto com máquinas de costura e leques. Não havia morbidez ou escândalo diante dessa propaganda, já que o vibrador era usado para uma questão de saúde.

Na década de 1920, os vibradores estrelaram filmes eróticos e fotografias, o que os levou a sair do mercado. Na década de 70, em meio à revolução sexual, a venda massiva dessa máquina reapareceu, mas sob o conceito de um brinquedo sexual (aliás, uma empresa japonesa lançou a Hitachi Magic Wand).

Em 1952, a American Psychiatric Association declarou oficialmente que a histeria feminina não era uma doença, mas um mito desatualizado, embora isso não impedisse que o vibrador se tornasse parte da história sexual feminina. 

Atualmente, são criados vibradores de silicone, plástico, látex e borracha, entre outros materiais. São fabricados em diferentes texturas e tamanhos, com um preço que varia a depender do modelo e da marca, tanto para homem quanto para mulher.