qui. dez 1st, 2022

O seguro de bike é uma alternativa cada vez mais procurada, especialmente graças ao aumento do número de ciclistas pedalando nas cidades brasileiras. Uma pesquisa realizada pela Multiplicidade Mobilidade Urbana estima que o Brasil tenha uma média de 33 milhões de bicicletas. E, de acordo com o levantamento da Betway, de 2019 para 2020 houve um aumento na venda de bicicletas na casa dos 50%.

Para pedalar mais tranquilo, evitando roubos e furtos, e ainda se precavendo contra eventuais problemas e acidentes que podem acontecer em determinados percursos, é que existe o seguro de bicicleta.

Se você não sabe como escolher o ideal, siga lendo este artigo e veja as principais dicas que separamos!

O que é o seguro de bike e para que serve?

O seguro para bicicleta existe para cobrir despesas e proteger o ciclista contra determinadas situações cobertas em apólice, como roubos, furtos, danos (incluindo perda total e parcial) e até em casos de acidentes envolvendo terceiros.

Existem inúmeros tipos de seguros e coberturas. Para que ele seja realmente interessante, é fundamental optar pelo mais adequado a sua realidade.

E se você tem dúvida se vale a pena investir em um seguro de bike, a resposta é SIM! Vale muito a pena. Afinal, é só pensar no prejuízo que você teria caso sua magrela fosse roubada e no tempo que levaria até conseguir comprar uma bicicleta equivalente.

Como escolher o melhor seguro de bike?

Para garantir que o dinheiro pago é um investimento, você precisa optar pelo seguro adequado a sua demanda enquanto ciclista e a realidade de uso da magrela. Veja as dicas mais importantes.

1- Avalie as coberturas

O primeiro passo é pensar em que tipo de ciclista você é e quais coberturas precisa. Por isso, verifique quais são as opções oferecidas pela seguradora. As mais comuns são:

  • Roubos, assaltos e furtos qualificados: envolve a subtração da bicicleta usando força, seja enquanto você pedala ou com a bike guardada;
  • Danos acidentais: cobrindo o custo do reparo ou reposição das peças da bicicleta em casos de acidentes ou danos durante o transporte ou o pedal, de acordo com o valor da franquia previamente combinada;
  • Responsabilidade civil ou danos a terceiros: cobre danos ou prejuízos (materiais, morais e corporais) causados a terceiros, como em casos de acidentes ou atropelamentos;
  • Viagens internacionais: excelente para quem deseja viajar com a magrela ou irá participar de competições;
  • Acidentes pessoais: protege você ou a sua família em caso de envolvimento em acidentes ou morte acidental;
  • Assistência 24 horas: oferece serviço de socorro 24 horas para ajudar com aquelas emergências que podem acontecer durante os pedais, seja com a bike ou com você;
  • Transporte: caso você sofra algum acidente, poderá acionar um serviço de transporte para te levar até um hospital ou outro local de atendimento médico, ou, ainda, transportando você para casa;
  • Reboque: reboque da bicicleta para casos em que o reparo não pode ser realizado no local do pedal.

Independentemente do seguro, contudo, saiba que existem algumas situações que não são cobertas por nenhuma apólice, como: furto simples, deterioração gradual e manutenção deficiente, bike sobre guarda de terceiros, danos preexistentes, comportamento negligente do segurado e furto simples ou dano dentro do veículo transportador.

2- Analise a seguradora

Outro ponto importantíssimo quando for escolher o seguro de bike é analisar quem está oferecendo esse seguro. A empresa deve ter reconhecimento no mercado e, principalmente, conhecimento sobre o universo do ciclismo.

Assim, se possível, tente dar preferência a uma seguradora que trabalha exclusivamente com a área, pois ela certamente oferecerá coberturas mais direcionadas, já que compreende a fundo as necessidades e exigências dos ciclistas.

3- Verifique as facilidades

Alguns seguros de bicicleta podem ser bastante burocráticos, exigindo vários documentos e avaliações. Enquanto outros são mais simples e permitem, por exemplo, que a avaliação da bicicleta seja feita de forma online, além de exigirem menos documentos.

Prefira as opções com menos burocracias, pois elas são mais rápidas e você poderá contratar o serviço sem precisar levar sua magrela para nenhum lugar ou aguardar longos períodos para avaliações.

4- Saiba como funciona a franquia

A grande maioria dos seguros de bike indenizam o valor equivalente a 90 ou 80% do valor total segurado. O restante é chamado de Participação Obrigatória do Segurado (POS), que incide sobre a quantia total do prejuízo.

Esse valor, contudo, pode variar dependendo da seguradora e é importante conferir exatamente essa questão antes de fazer sua opção.

Aproveite para analisar como deve ser o processo em caso de sinistro, optando por aquela em que a comunicação é mais simples e menos burocrática.

5- Analise a abrangência do seguro

Outro fator muito importante é verificar a abrangência do seguro, ou seja, em qual parte do território nacional (ou internacional, dependendo da cobertura), ele é válido.

Já existem seguradoras que oferecem cobertura nacional e internacional. Assim, independentemente de onde você esteja pedalando, poderá contar com o seguro. É claro que, dependendo dos serviços adicionais contratados, eles podem ter um limite de localização.

Assim, sempre compare essas questões, encontrando aquela que seja ideal para o seu caso. Quem pedala sempre no mesmo lugar, por exemplo, pode não precisar de uma apólice com cobertura nacional. Diferentemente de quem pretende fazer uma cicloviagem.

6- Saiba se os acessórios estão cobertos

Observe, ainda, se a apólice oferece cobertura para os acessórios – e, se sim, quais estão cobertos. Algumas seguradoras oferecem como uma cobertura adicional, o que pode ser interessante para aqueles ciclistas que investiram bastante tornando a sua magrela mais diferenciada.

Assim, a cobertura poderá ser acionada tanto em caso de roubo ou danos a esses acessórios, como com a indenização completa da bike em caso de danos ou roubo (incluindo o valor dos acessórios).

7- Avalie os diferenciais e o custo-benefício

Por fim, não compare apenas o custo final dos seguros, mas sim o que eles oferecem de diferenciais – e como eles são importantes para a sua realidade.

Alguns seguros são desenvolvidos exclusivamente por empresas especializadas em desenvolver soluções para ciclistas, com um foco maior nas necessidades dessas pessoas. Outros podem oferecer serviços e coberturas personalizadas, dando ainda mais flexibilidade para as suas demandas.

Também existem seguradoras com planos de pagamento facilitados, com parcelamento mensal.

Todos esses detalhes devem ser colocados no papel e comparados, optando por aquele que oferece o melhor custo-benefício para a sua realidade.

E aí, agora ficou mais fácil escolher o seguro de bike? Se ainda tem alguma dúvida, é só deixar um comentário pra gente!