sex. jul 12th, 2024

O seguro de bike é uma alternativa cada vez mais procurada, especialmente graças ao aumento do número de ciclistas pedalando nas cidades brasileiras. Uma pesquisa realizada pela Multiplicidade Mobilidade Urbana estima que o Brasil tenha uma média de 33 milhões de bicicletas. E, de acordo com o levantamento da Betway, de 2019 para 2020 houve um aumento na venda de bicicletas na casa dos 50%.

Para pedalar mais tranquilo, evitando roubos e furtos, e ainda se precavendo contra eventuais problemas e acidentes que podem acontecer em determinados percursos, é que existe o seguro de bicicleta.

Se você não sabe como escolher o ideal, siga lendo este artigo e veja as principais dicas que separamos!

O que é o seguro de bike e para que serve?

O seguro para bicicleta existe para cobrir despesas e proteger o ciclista contra determinadas situações cobertas em apólice, como roubos, furtos, danos (incluindo perda total e parcial) e até em casos de acidentes envolvendo terceiros.

Saiba maisInstituto Olga Kos abre inscrições para mais uma de suas tradicionais corridas de rua em São Paulo

Existem inúmeros tipos de seguros e coberturas. Para que ele seja realmente interessante, é fundamental optar pelo mais adequado a sua realidade.

E se você tem dúvida se vale a pena investir em um seguro de bike, a resposta é SIM! Vale muito a pena. Afinal, é só pensar no prejuízo que você teria caso sua magrela fosse roubada e no tempo que levaria até conseguir comprar uma bicicleta equivalente.

Como escolher o melhor seguro de bike?

Para garantir que o dinheiro pago é um investimento, você precisa optar pelo seguro adequado a sua demanda enquanto ciclista e a realidade de uso da magrela. Veja as dicas mais importantes.

1- Avalie as coberturas

O primeiro passo é pensar em que tipo de ciclista você é e quais coberturas precisa. Por isso, verifique quais são as opções oferecidas pela seguradora. As mais comuns são:

Saiba maisDica para quem adora viajar!
  • Roubos, assaltos e furtos qualificados: envolve a subtração da bicicleta usando força, seja enquanto você pedala ou com a bike guardada;
  • Danos acidentais: cobrindo o custo do reparo ou reposição das peças da bicicleta em casos de acidentes ou danos durante o transporte ou o pedal, de acordo com o valor da franquia previamente combinada;
  • Responsabilidade civil ou danos a terceiros: cobre danos ou prejuízos (materiais, morais e corporais) causados a terceiros, como em casos de acidentes ou atropelamentos;
  • Viagens internacionais: excelente para quem deseja viajar com a magrela ou irá participar de competições;
  • Acidentes pessoais: protege você ou a sua família em caso de envolvimento em acidentes ou morte acidental;
  • Assistência 24 horas: oferece serviço de socorro 24 horas para ajudar com aquelas emergências que podem acontecer durante os pedais, seja com a bike ou com você;
  • Transporte: caso você sofra algum acidente, poderá acionar um serviço de transporte para te levar até um hospital ou outro local de atendimento médico, ou, ainda, transportando você para casa;
  • Reboque: reboque da bicicleta para casos em que o reparo não pode ser realizado no local do pedal.

Independentemente do seguro, contudo, saiba que existem algumas situações que não são cobertas por nenhuma apólice, como: furto simples, deterioração gradual e manutenção deficiente, bike sobre guarda de terceiros, danos preexistentes, comportamento negligente do segurado e furto simples ou dano dentro do veículo transportador.

2- Analise a seguradora

Outro ponto importantíssimo quando for escolher o seguro de bike é analisar quem está oferecendo esse seguro. A empresa deve ter reconhecimento no mercado e, principalmente, conhecimento sobre o universo do ciclismo.

Assim, se possível, tente dar preferência a uma seguradora que trabalha exclusivamente com a área, pois ela certamente oferecerá coberturas mais direcionadas, já que compreende a fundo as necessidades e exigências dos ciclistas.

3- Verifique as facilidades

Alguns seguros de bicicleta podem ser bastante burocráticos, exigindo vários documentos e avaliações. Enquanto outros são mais simples e permitem, por exemplo, que a avaliação da bicicleta seja feita de forma online, além de exigirem menos documentos.

Saiba maisDicas De Segurança Em Viagens Internacionais

Prefira as opções com menos burocracias, pois elas são mais rápidas e você poderá contratar o serviço sem precisar levar sua magrela para nenhum lugar ou aguardar longos períodos para avaliações.

4- Saiba como funciona a franquia

A grande maioria dos seguros de bike indenizam o valor equivalente a 90 ou 80% do valor total segurado. O restante é chamado de Participação Obrigatória do Segurado (POS), que incide sobre a quantia total do prejuízo.

Esse valor, contudo, pode variar dependendo da seguradora e é importante conferir exatamente essa questão antes de fazer sua opção.

Aproveite para analisar como deve ser o processo em caso de sinistro, optando por aquela em que a comunicação é mais simples e menos burocrática.

5- Analise a abrangência do seguro

Outro fator muito importante é verificar a abrangência do seguro, ou seja, em qual parte do território nacional (ou internacional, dependendo da cobertura), ele é válido.

Já existem seguradoras que oferecem cobertura nacional e internacional. Assim, independentemente de onde você esteja pedalando, poderá contar com o seguro. É claro que, dependendo dos serviços adicionais contratados, eles podem ter um limite de localização.

Assim, sempre compare essas questões, encontrando aquela que seja ideal para o seu caso. Quem pedala sempre no mesmo lugar, por exemplo, pode não precisar de uma apólice com cobertura nacional. Diferentemente de quem pretende fazer uma cicloviagem.

6- Saiba se os acessórios estão cobertos

Observe, ainda, se a apólice oferece cobertura para os acessórios – e, se sim, quais estão cobertos. Algumas seguradoras oferecem como uma cobertura adicional, o que pode ser interessante para aqueles ciclistas que investiram bastante tornando a sua magrela mais diferenciada.

Assim, a cobertura poderá ser acionada tanto em caso de roubo ou danos a esses acessórios, como com a indenização completa da bike em caso de danos ou roubo (incluindo o valor dos acessórios).

7- Avalie os diferenciais e o custo-benefício

Por fim, não compare apenas o custo final dos seguros, mas sim o que eles oferecem de diferenciais – e como eles são importantes para a sua realidade.

Alguns seguros são desenvolvidos exclusivamente por empresas especializadas em desenvolver soluções para ciclistas, com um foco maior nas necessidades dessas pessoas. Outros podem oferecer serviços e coberturas personalizadas, dando ainda mais flexibilidade para as suas demandas.

Também existem seguradoras com planos de pagamento facilitados, com parcelamento mensal.

Todos esses detalhes devem ser colocados no papel e comparados, optando por aquele que oferece o melhor custo-benefício para a sua realidade.

E aí, agora ficou mais fácil escolher o seguro de bike? Se ainda tem alguma dúvida, é só deixar um comentário pra gente!