ter. abr 16th, 2024
A closeup shot of a male holding his motorcycle helmet with a blurred background

Você usa capacetes? Confira como esse item de segurança tão importante evoluiu ao longo do tempo

Os capacetes são indispensáveis para a proteção de pilotos de motos, ciclistas e profissionais do automobilismo, motociclismo e outros esportes.

O objetivo é proteger a cabeça de impactos causados por um eventual acidente. As viseiras, acessório que compõe o capacete, protegem os olhos do condutor de detritos, insetos, poeira e chuva. 

Criação dos capacetes

O capacete é um item que tem o propósito de proteger a cabeça. Esse tipo de mecanismo já existe há muito tempo e, historicamente, não é datado quem foi o criador do objeto.

Saiba mais5 dicas para ajudar no foco e produtividade

Isso porque a proteção da cabeça era adotada em âmbito militar desde os primeiros séculos da humanidade e não há registros que permitam definir quando e quem criou.

No entanto, podemos afirmar que esse foi, sem dúvida, o ponto de partida para o desenvolvimento de novas tecnologias e adaptação do item de proteção para uso automobilístico.

A concepção do primeiro capacete como conhecemos hoje data de 1885 e é atribuída a Gottlieb Daimler. 

Na década de 1930, com o crescente interesse pelos esportes de velocidade e, consequentemente, de acidentes envolvendo pilotos, foi motivada a busca por inovação no âmbito do desenvolvimento de capacetes cada vez mais seguros. 

Saiba maisMédicos que estiveram na linha de frente do combate à covid-19 replicam aprendizados e descobertas em novas formas de cuidado

Em 1953, foi desenvolvido na University of Southern California um protótipo de capacete com camadas extras que além de absorver o choque do impacto também distribuem o choque acumulado. Essa tecnologia se tornou a base para a produção dos capacetes que conhecemos hoje.

A evolução ao longo do tempo

A seguir, elencamos alguns marcos históricos importantes na evolução dos capacetes e que trouxeram melhorias que nos beneficiam nos dias de hoje.

  • 1953: foi desenvolvido o protótipo de capacete com camadas extras que além de absorver o choque do impacto também distribuem o choque acumulado, tecnologia base para a produção dos capacetes que conhecemos hoje.
  • 1984: nos Estados Unidos, foi estabelecido o primeiro padrão para fabricação de capacetes. 
  • 1986: o designer Jim Gentes desenhou o primeiro capacete de ciclismo sem casco e com entradas para ventilação. 
  • 1990: fabricação de cascos usando PET e outros plásticos. 
  • 1990: foram desenvolvidos capacetes mais finos e práticos, com design que busca balancear o equilíbrio.

A importância do uso do capacete

Além da obrigatoriedade legal que envolve motociclistas e ciclistas, o capacete precisa ser visto como um item de segurança e não como um acessório inconveniente.

Muitas pessoas acreditam que o uso de capacete é dispensável, porém, esse pensamento é totalmente equivocado, uma vez que o capacete é capaz de proteger um dos órgãos mais importantes do corpo humano.

Saiba maisComo harmonizar seu look com salto alto? Descubra aqui!

Em caso de acidente ou simples queda, o capacete minimiza os efeitos do impacto causado contra a cabeça, diminuindo, por exemplo, o risco de ocorrência de traumatismos da face e traumatismos crânio-encefálicos. 

Legislação de trânsito brasileira

De acordo com o artigo 244 do Código de Trânsito Brasileiro, a condução de motocicleta, motoneta e ciclomotor deve ser feita usando o acessório conforme as normas aprovadas pelo Contran.

O motorista que for flagrado conduzindo ou transportando pessoa sem o acessório de proteção incorre em multa gravíssima, com a penalidade de multa e suspensão do direito de dirigir. 

O capacete deve ser utilizado com a viseira abaixada, sendo aceitos pela legislação o modelo fechado, misto (com queixeira removível), modular (com frente móvel), aberto e o modelo sem queixeira.

Independentemente do modelo escolhido, é importante que ele tenha um tamanho adequado de acordo com as dimensões físicas do usuário e conte com o selo do Inmetro.

O futuro dos capacetes

Os capacetes devem seguir em evolução. O uso de papelão, por exemplo, vem sendo estudado pelo segmento. Apesar de parecer estranho, esse item tem baixo custo, é reciclável, pode ser montado facilmente e tem potencial para substituir o EPS — produto atualmente utilizado — sem trazer riscos ou diminuir a proteção do usuário. 

O desenvolvimento de capacetes que aumentam cada vez mais o impacto também deve acontecer. Outra inovação são os capacetes dobráveis e acessórios que são cada vez mais leves, eficientes e economicamente viáveis. 

Para quem tem interesse no assunto, é interessante acompanhar as novidades no uso de novas tecnologias e mecanismos que garantam a segurança sem abrir mão da qualidade, design e sustentabilidade.