qua. nov 30th, 2022

As mudanças climáticas têm sido tema em discussões ao redor do mundo inteiro, cada vez a pauta tem recebido atenção dentro do ambiente corporativo, agendas internacionais e nos contextos interpessoais dos indivíduos, criando um apelo para produtos sustentáveis.

Como reação às demandas e pautas em questão, o mercado passou a investir na produção de produtos sustentáveis, verdes e ecológicos. 

Embora o termo esteja dentro de um mesmo escopo, em prática possuem abrangência diferente.

O que expressa essa distinção entre os conceitos é a produção, durabilidade, impacto ambiental e sustentabilidade envolvidos em cada um dos termos e seus respectivos produtos.

É comum vermos nas redes sociais diversas influenciadoras digitais usarem o termo “produto verde” ao se referirem a produtos como marmita fit low carb, levando em consideração tão somente a apresentação do produto.

No entanto, é preciso compreender a distinção entre eles para evitar a propagação de informações errôneas. 

Afinal, a propagação de informações pode tomar proporções com alcances não esperados.

  1. Produtos verdes

Entende-se por produto verde aquele que conta com preocupações com os impactos ambientais em sua produção, em suma ocorre a eficiência energética durante a fabricação destes produtos. 

Sendo assim, durante a produção de produtos verdes são usadas fontes de energia renováveis.

Como complemento da preocupação com os impactos ambientais, os fabricantes deste nicho de produto têm o cuidado não só com todo o ecossistema durante a produção, mas também durante o transporte e armazenagem.

O intuito principal dos produtos verdes é reduzir os impactos ambientais tal como a redução de danos ao seu distribuidor e ao cliente final. 

Com isso, pode ser considerado um produto verde todo aquele que possui valorização energética e da água em sua produção e a responsabilidade social e ambiental se estende da cadeia de produção até a distribuição e descarte.

Pela complexidade de produção em larga escala e de distribuição estes produtos possuem um custo mais elevado ou então são produzidos por empreendedores menores, tal como os produtos naturais para pele.

  1. Produtos ecológicos

Os produtos ecológicos podem ser definidos como produtos que envolvem uma preocupação com o equilíbrio com o ecossistema regional em sua produção, mas não necessariamente no impacto macro.

Isso pois as medidas tomadas numa cadeia produtiva ecológica abrangem a reposição de recursos utilizados com a finalidade de equilibrar, todavia não há abrangência para evitar os impactos ambientais e sociais no restante do fluxo.

Como no caso de uma farmácia de manipulação florais, cujo produto é voltado para reduzir os desequilíbrios durante a produção e seu compromisso com a responsabilidade ambiental e social está somente na cadeia produtiva.

Para a fabricação de tais produtos, soluções ecológicas são adotadas como uma forma de repor a energia gasta ou então a água.

Sendo assim é comum vermos fábricas de produtos ecológicos constantemente contratando serviços de manutenção de poço artesiano para garantir que sua escala de produção não tem gerado desequilíbrios ambientais.

  1. Produtos sustentáveis

Os produtos sustentáveis além de contemplar a preocupação com os impactos sociais e ambientais semelhantes aos produtos verdes, se preocupam também com a qualidade destes produtos.

Durante o processo produtivo medidas para evitar os prejuízos que o meio ambiente possa ter, existe a preocupação também com o descarte e posicionamento contra o consumo desenfreado.

Sem dúvidas o consumo desenfreado é reflexo do uso de insumos de baixa qualidade e falta de planejamento produtivo, que em muitos casos é o que proporciona produção em larga escala e menor custo.

Os produtos sustentáveis rumam contrário a essa corrente de pensamento o qual está de acordo com o consumo desenfreado. 

O conceito de sustentabilidade compreende que a principal causa dos impactos ambientais causados por indústrias não é somente a fabricação de um produto em si, mas sim a demanda excessiva pela ausência de durabilidade.

Sendo assim os produtos sustentáveis contam com maior investimento na cadeia produtiva para que os produtos possam ter a qualidade assegurada e consequentemente maior durabilidade junto aos seus consumidores finais.

Os investimentos feitos em uma produção sustentável são altos e isso impacta no preço final repassado ao consumidor, o que torna este um produto não tão acessível para a população como um todo.

Podem ser considerados sustentáveis produtos como alimentos, roupas e objetos derivados de insumos orgânicos. 

Dentro da construção civil também existe a opção sustentável, com produtos como bloco estrutural ceramico.

Qual a importância de saber a diferença entre eles?

A propagação de informações é uma pauta que recebeu destaque na sociedade nos últimos anos, com o avanço tecnológico e a entrada na nova era digital ficou muito claro o quão poderosas são as informações e seus impactos.

A propagação de informações tem impactos em aspectos sociais, econômicos e políticos de forma positiva ou negativa. Tudo isso depende da forma como são manipuladas e em quais veículos estarão presentes.

Quando considerado o âmbito ambiental aplicado ao cenário corporativo, a propagação de informações se torna ainda mais relevante. É verdade pois afeta diretamente os negócios de uma empresa e sua posição no mercado.

Não é novidade que existe uma força tarefa dos principais atores do sistema internacional para a preservação do meio ambiente e luta contra o esgotamento dos recursos naturais. 

Líderes executivos, empresários, representantes estatais de países e líderes de organizações internacionais frequentemente organizam suas agendas para discutir pautas ambientais e formular acordos. 

Durante as conferências internacionais corriqueiramente vemos estes atores firmarem o compromisso com o meio ambiente de forma sustentável. 

Todavia, sabendo que a sustentabilidade vai de encontro com o conceito de maximizar os ganhos, na prática esse compromisso de fato não ocorre ou são burlados de certo modo.

Sabendo deste cenário, organizações em prol do meio ambiente requerem a emissão de laudos ambientais para auditar o efetivo compromisso com as diretrizes firmadas em acordos internacionais e legislações. 

Por intermédio dos laudos ambientais que então se pode entender o verdadeiro posicionamento de um país, empresa ou marca.

Com o rápido acesso à informação, estes laudos são divulgados ao público e em alguns casos podem gerar impacto negativo para o marketing de empresas.

Estes laudos são muito parecidos com uma análise genética feita nos humanos, por exemplo, onde se é possível ter um diagnóstico detalhado sobre quem efetivamente é aquela empresa ou marca.

Com isso é importante compreender a diferença entre produtos verdes, ecológicos e sustentáveis para que se evite propagar informações erradas ao público, que pode se sentir lesado de certa forma e isso impactar a imagem dos seus negócios.

Também é preciso estar atento para a diferença entre os conceitos, pois quando se assume uma posição em relação ao meio ambiente, estão envolvidos impostos e multas que impactam negativamente os negócios.

Em contrapartida, a propagação correta das informações é reconhecida e gera conexão com o público e traz benefícios fiscais.

Considerações finais

Sendo assim, é necessário compreender a abrangência das questões ambientais e seus impactos diante do mercado e do público.

Empresas que desejam ter bom posicionamento devem estar atentas quanto às informações de seu próprio negócio que tem sido divulgadas, evitando maiores conflitos e prejuízos.

Todavia é preciso entender que a pauta agrega positivamente para o posicionamento de marketing. Deve ser considerado neste caso o público-alvo e potencialização de alcance, ou seja, responsabilidade ambiental gera identificação com nichos de consumidores.

Esse compromisso pode ter custo elevado se seguido à risca e de uma vez só, portanto recomenda-se pequenas ações a fim de despertar o interesse do público.

Isso pode ser a utilização de um insumo de mais qualidade e ecológico na produção ou quem sabe a decoração voltada para uma atmosfera mais ambiental, contando com móveis com gravação em madeira.

São investimentos a serem feitos em conformidade com a realidade de seu negócio e público, mas que sem dúvidas irão agregar em benefícios a médio e longo prazo.

Para os consumidores que queiram adotar produtos verdes, ecológicos e sustentáveis em seu cotidiano, seguem algumas recomendações:

  • Ecobags (ecológico);
  • Arroz orgânico (sustentável);
  • Cosméticos naturais (verde);
  • Medicamentos florais manipulados (ecológico).

Estes são os produtos de maior uso no cotidiano e para a adaptação na mudança de estilo de vida, são recomendados devido a sua acessibilidade e menor valor em relação aos mais variados produtos.

Por fim, vale ressaltar que firmar o compromisso com o ambiente pode acontecer paulatinamente desde que o posicionamento diante da população também aconteça de maneira igual, a clareza nas informações é importante.

Contudo, entender as diferenças entre os conceitos abrangidos no tema ambiental é o primeiro passo para quem deseja efetivamente firmar o compromisso ou adotar novo estilo de vida.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.