sáb. abr 20th, 2024

Você sabe qual a forma de prevenção da poliomielite, vacina, idade adequada para tomar e o esquema de doses? Também conhecida como paralisia infantil, ou pólio, a doença pode levar o paciente à paralisia.

Mas você sabe quais são as causas e sequelas causadas pela doença? Embora poucos casos da doença tenham sido registrados nos últimos anos, é essencial manter os cuidados, especialmente através do calendário vacinal AA infantil.

Entenda mais sobre a doença, quais suas consequências e de que forma a prevenção é feita para proteção das crianças.

Poliomielite vacina idade: o que é? Causas e sequelas

Antes de saber qual o esquema de doses da poliomielite, vacina, idade e quando vacinar, é importante entender o que é a doença.

Saiba maisQual a diferença entre um médico e um residente?

Em resumo, a poliomielite, ou paralisia infantil, é uma doença infectocontagiosa grave que tem como principal consequência à paralisia da criança afetada.

De modo geral, ela atinge o sistema nervoso e causa a destruição dos neurônios responsáveis pelos movimentos. Dessa maneira, ela tem como principal consequência a paralisia total.

A poliomielite pode ser transmitida por meio da infecção, tanto em adultos quanto em crianças. Com isso, a infecção pode acontecer pelo contato direto com fezes ou secreções eliminadas pela boca, ou vias áreas de pessoas infectadas.

No entanto, ela também é transmitida pelo espirro ou tosse. Assim, o vírus da poliomielite se multiplica pelos locais onde entrou no organismo – nariz, boca ou intestino.

Saiba mais5 benefícios da Medicina Funcional: a chave para uma vida saudável

Em seguida, o vírus é direcionado pela corrente sanguínea, e atinge o sistema nervoso do indivíduo infectado.

Causas e sintomas da Poliomielite

Outro ponto importante para se entender a respeito da poliomielite, vacina, idade e suas sequelas são as causas e sintomas.

A pólio é causada pelo poliovírus, transmitido pelo contato com as fezes, saliva ou secreções de pessoas infectadas. Além disso, a ingestão de água e alimentos contaminados também causa a doença.

Entretanto, é comum que, após a infecção, grande parte das pessoas infectadas não apresenta sintomas de poliomielite. Com isso, ela pode passar despercebida. Nas situações em que há sintomas, os mais comuns são:

Saiba maisSaiba como aumentar aos poucos sua resistência ao correr
  • Dor de cabeça;
  • Vômitos;
  • Dor de garganta;
  • Febre;
  • Rigidez na região da nuca;
  • Dor no corpo;
  • Meningite;
  • Espasmos musculares.

Dessa maneira, a doença também pode evoluir para a poliomielite paralítica, sua forma mais grave. Ela ocorre quando o vírus atinge os neurônios motores, com sintomas de flacidez muscular nas pernas.

Sequelas da doença

E quais são as sequelas da poliomielite? Nos casos mais graves da doença, quando o poliovírus infecta a medula e o cérebro, algumas sequelas motoras, que não têm cura, podem afetar adultos e crianças.

Dessa maneira, a doença é responsável por ocasionar problemas e dores nas articulações, pé equino – ou pé torno, condição que impede a pessoa de tocar o calcanhar no chão -, e crescimento diferente das pernas.

As sequelas também causam escoliose e osteoporose, além de casos onde há a paralisia total de uma das pernas.

Além disso, também é possível citar como sequelas da poliomielite a paralisia dos músculos da fala e da deglutição, hipersensibilidade ao toque e atrofia muscular.

Tratamentos

Mas há tratamento para a doença? Para a poliomielite, vacina, idade adequada e o esquema de dose nada mais são do que formas de prevenção.

Isto é, a poliomielite não possui um tratamento específico. Com isso, todas as vítimas da doença são hospitalizadas para receber um tratamento dos sintomas.

Para isso, são aplicados medicamentos que aliviam as dores musculares e nas articulações. Entretanto, as sequelas da poliomielite são tratadas por meio de sessões de fisioterapia.

Desse modo, são realizados exercícios para o fortalecimento e desenvolvimento dos músculos afetados, bem como para a postura. O objetivo é proporcionar uma qualidade de vida maior, mesmo com as sequelas da poliomielite.

Poliomielite vacina idade: tipos de vacina

Ou seja, diferente de um tratamento para a poliomielite, vacina, idade adequada e esquema de doses são formas de precaver a infecção e desenvolvimento da paralisia infantil.

De modo geral, existem dois tipos de vacinas contra a doença. Ambas são oferecidas pelo Ministério da Saúde, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e por clínicas privadas. São elas:

  • Vacina Oral Poliomielite (VOP) – vacina oral atenuada bivalente. Assim, ela é composta pelos vírus da pólio tipos 1 e 3, vivos. Contudo, os vírus são enfraquecidos para gerar a imunização. Como o nome indica, a aplicação é via oral.
  • Vacina Inativada Poliomielite (VIP) – vacina trivalente e injetável. Assim como a primeira, ela também é composta por partículas dos vírus da pólio tipos 1 e 3, mas também leva o tipo 2. Todos são inativados, sem o risco de causar a doença. Contudo, sua aplicação é via intramuscular.

No Brasil, por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), é aplicada a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). A recomendação é destinada para países onde o risco de contração da doença é baixo.

Esquema de doses

Mas um ponto importante sobre a poliomielite, vacina, idade adequada é o esquema de doses e quando cada uma delas deve ser aplicada.

De modo geral, segundo o Ministério da Saúde, é recomendado adotar o seguinte calendário:

  • 1ª dose – VIP: com 2 meses;
  • 2ª dose – VIP: com 4 meses;
  • 3ª dose – VIP: com 6 meses.

Além disso, após a aplicação das 3 doses da Vacina Inativada Poliomielite, é necessário a aplicação das duas doses de reforço da Vacina Oral Poliomielite (VOP) na seguinte forma:

  • 1º reforço – com 15 meses;
  • 2º reforço – com 4 anos.

Cuidados e prevenção

Em resumo, os cuidados e prevenção da poliomielite é a vacinação e evitar contato com pessoas infectadas.

Isto é, todas as crianças menores de cinco anos devem ser devidamente vacinadas, conforme o calendário vacinal do Ministério da Saúde. A higiene e os cuidados com situações precárias também são fundamentais.

Más condições habitacionais, de higiene ou alimentos e água contaminadas trazem um grande risco de desenvolvimento da doença. Assim, os programas de saneamento básico são fundamentais para prevenção da doença.

Conclusão

Com isso, além da poliomielite, vacina, idade adequada para vacinação e formas de prevenção, você já está mais informado para lidar com a doença.

Infectocontagiosa, a poliomielite é uma doença grave, que pode causar sequelas irreparáveis em crianças. Dessa forma, os cuidados são essenciais para evitar a contaminação.